Postagens

Mostrando postagens de Março, 2017

Março 2017: o que teve

O que teve é um post mensal que faço todo final de mês contando o que aconteceu nele. Clique aqui para ver outros posts da categoria.
Março foi o mês que, pela primeira vez na vida, fiz uma feijoada. Sabem o que é nojento, gente? Orelha de porco. Plmdds. MAS NÓIS COME, PQ DELÍCIA. Então fui lá eu lavar orelha de porco, TIRAR PELOS DA ORELHA DE PORCO, e tô com ânsia só de lembrar. Querem receita ou nem? Eu sou aquelas tia que adora trocar receita <3
Também teve muita ganinha com o cão Pipeline. Às vezes é muito difícil não morder ele de tanta gana (Felícia). Olha essa Leroy Merlin dando show de ~conquiste o cliente~ pq eles tem lá esse carrinho com gaiola que tu pode levar teu animal :~~~) talvez a coisa mais adorável que eu já tenha visto.
Março também foi o mês que comecei a fazer um curso de confeitaria e já engordei dezoito quilos e contando. 

Mas de mais importante mesmo foi minha mãezinha ter voltado de Portugal <3 ela morou lá durante 1 ano para estudar e agora caminha entre nós meros mortais novamente. Eu tava com muita saudade mas quem quase teve um treco quando encontrou ela foi o Pipe, que tá um alívio só. Parece que os planetas se alinharam :)
Teve também a cafeteira que estragou e meu amigo desenvolveu essa gambiarra maravilhosa MACGYVER dos cafés <3 Meu quadro favorito foi pendurado em cima do toca-discos. E teve eu demonstrando todas minhas ~capacidades fashions~ mas essa foto poderia também ter a legenda: ~o motivo pelo qual não faço looks do dia~ :)
E teve essa foto que talvez seja minha preferida da vida deste animal. O cão em seu habitat natural - minha cama. Perceba que do jeito que ele deita ele consegue ocupar 85% da cama <3

ninguém vai ler :)

E aí que eu estou obcecada por um livro que li, E O Vento Levou. Por nenhuma razão, NENHUMINHA, a não ser minha obsessão, eu fiz esse grande resumo dele. É mais pra eu nunca esquecer, porque esse livro foi muito importante pra mim, e eu sou meio esquecida. Mas vai que interesse alguém :)
Geórgia, EUA, 1860, período pré guerra da secessão. 
Scarlett O'Hara tem 16 anos e é de uma família de fazendeiros ricos. O pai é um irlândes que fez a vida sozinho. A mãe é de uma família tradicional georgiana. O nome da fazenda em que eles vivem é Tara.
Scarlett é linda e todos os boys querem ela. Ela só quer um boy, o Ashley Wilkes. Os Wilkes são também fazendeiros mas é a única família que é culta e estudada. Eles tem até uma biblioteca. Isso significa muita coisa na Geórgia de 1860. Os Wilkes adoram casar com primos pra manter a prole em família.
Vai rolar uma festinha na região e a vários gatinhos covidam Scarlett pra ir junto no rolê. Mas ela tá obcecada pelo Ashley. Ela fica sabendo que vai ser anunciado na festinha que Ashley e Melanie Hamilton estão noivos.
Scarlett fica chateadíssima pois tem certeza que Ashley ama ela e que só vai casar com a Melanie porque ela é prima dele e a família dele está forçando esse casamento. Ela decide confrontar o Ashley na festa e, se necessário, fugir com ele.
Ela chega na festa com um vestido decotado e choca todo mundo. Fica dando em cima de vários boys pra ver se o Ashley nota e sente ciúmes. Ashley caga.
Na festa, ela conhece um indivíduo chamado Rhett Butler. Entra Rhett Butler. Eu amo o Rhett Butler. Tô emocionada só de pensar no Rhett Butler. A guerra está próxima e há boatos que Rhett Butler negocia com yankees, sendo então ele uma persona non grata na região.
Ela cria coragem e confronta Ashley na biblioteca. Ele caga de pra ela de novo. Basicamente ele diz que ama ela, mas que ele é culto e ela não, ou seja, que ela é burra demais pra ele. Ela dá um tapa nele. Ele sai da biblioteca. Rhett Butler estava na biblioteca deitado no sofá e não foi visto por eles. Ela fica odiada e decide fazer a única coisa possível para evitar a vergonha: casar com o irmão da Melanie que é apaixonado por ela. ÓTIMA MANEIRA DE PENSAR, Ñ É MSM? CLARAMENTE ÚNICA OPÇÃO POSSÍVEL.
Daí ela vai lá e diz pro Charles Hamilton que quer casar com ele e ele aceita na hora e ela diz que tem que ser imediatamente.
A guerra estoura.
Não, sério. A guerra estoura exatamente nessa hora.
Ela casa com Charles e ele parte para lutar ao lado dos confederados na guerra. Ele morre em poucos meses. Ela está grávida. Ela está puta da cara porque o marido dela morreu e deixou ela grávida. Essa gravidez foi ignorada no filme.
Ashley também foi para a guerra e Melanie, que já é sua esposa e está grávida, está morando em Atlanta com a tia Pittypat. Nenhum nome de tia é melhor do que tia Pittypat. Melanie tem um coração de ouro e nunca percebeu que Scarlett considera ela uma arqui-inimiga. Melanie convida ela pra morar em Atlanta com elas. Scarlett vai.
Scarlett obrigatoriamente está em luto e deve ficar 5 anos dentro de casa usando preto. Nesse meio tempo o filho dela nasce. Ela odeia o filho porque ele é resultado de um casamento sem amor e porque não é filho do Ashley. Ela realmente é obcecada pelo Ashley.
Vai rolar uma festinha dos confederados em Atlanta. Um evento promovido pelo exército para arrecadar fundos. O trabalho das mulheres na guerra é arrecadar fundos e ajudar no hospital com os soldados caídos. Scarlett está louca pra dar um rolê e está revoltada com ter que ficar de luto tanto tempo. Ela convence todo mundo que ajudar a causa sulista é maior do que um simples luto e consegue ir.
Rola um 'passa o chapéu' do exército na festa. Scarlett não pode usar jóias pois está de luto mas ainda usa a aliança de Charles. Scarlett coloca a aliança no chapéu e todo mundo fica impressionado com a coragem dela em se desfazer da única memória do marido. Ela ri por dentro e se sente aliviada de não ter mais que carregar aquele fardo.
Rola também um sorteio apenas um pouco machista de mulheres no evento. Os boys pagam pra poder dançar com mulheres. Rhett Butler (<3) está lá. Rhett Butler oferece uma quantia absurda pra dançar com Scarlett. Todo mundo fica chocado porque Scarlett está de luto e não pode dançar. Scarlett desafia todos os padrões morais, manda todo mundo a merda e dança com Rhett.
A guerra se aproxima de Atlanta, a tia Pittypat foi visitar uns migos e Scarlett e Melanie estão de banda. Melanie está no último estágio de gravidez e a guerra chega em Atlanta. MELANIE VAI PARIR NO DIA QUE OS YANKEES COMEÇAM A INVADIR ATLANTA. A Scarlett manda chamar o médico que responde algo do tipo 'QUEM SE IMPORTA COM UMA GRÁVIDA, OLHA A TUA VOLTA' e aí a Scarlett tem que fazer o trabalho de parto de Melanie, que é muito fraca e quase morre durante o parto. Os Yankees estão já dentro de Atlanta. Scarlett decide voltar pra Tara mas não tem como ir. Scarlett lembra então que Rhett Butler existe e manda chamar ele pra ajudá-la. Rhett chega num cavalo todo capenga e ajuda ela a sair da cidade em chamas. Quando saem da cidade, ele desce da carroça e diz que decidiu lutar ao lado dos confederados e deseja boa sorte a ela na jornada a Tara. Ela fica puta e diz que nunca mais vai olhar na cara dele.
Scarlett, seu filho, sua escrava, Melanie inconsciente e seu nenê recém nascido iniciam então a jornada sozinhas até Tara. Quando chegam lá, sua mãe está morta e seu pai ficou louco. Os yankees invadiram Tara e fizeram lá o seu QG e o pai dela não aguentou a desgraça. Tara está completamente destruída e, onde Scarlett achou que ia conseguir alento, só vê ruínas. Suas irmãs são inúteis, uma dela está doente e sobra pra Scarlett levantar a fazenda. Scarlett, que é donzela e nunca teve que trabalhar na vida, tem que plantar mandioca e fazer trabalho pesado. Eles passam fome e ninguém faz nada, só ela. É aí que entra essa cena maravilhosa e conhecidíssima:
Scarlett, depois de muito tomar na cabeça e de ter todo o peso do mundo nas suas costas, decide que nunca mais vai passar fome. Que coisa mais linda.
Ashley surge. Ele tinha sido capturado pelos yankees e, agora que a guerra acabou, foi solto. Ele caga. Caga mesmo, eu juro que caga. Ele chega na fazenda, fica comendo as coisa tudo e, o trabalho que Scarlett faz em uma hora, ele leva um dia pra fazer. E ainda reclama que a vida que ele está acostumado não é aquela e que isso não é vida.
Scarlett um dia cansa de todo o peso do mundo nas suas costas e intima Ashley no meio do campo de mandioca, dizendo que sabe que ele a ama e que quer fugir com ele. Ele diz que sente desejo por ela porque ela é gata e apenas isso. Ela diz que então não tem nada mais a se prender. Ele pega um pedaço de terra, coloca na mão dela e diz: você tem isso, você tem Tara. Você sempre vai ter sua terra. Esse momento é importante.
Nesse meio tempo, começa a aparecer uns soldados voltando derrotados da guerra pedindo comida. Numa dessas, aparece Frank Kennedy, que era meio que prometido pra irmã dela. Ele pede pra Scarlett pra casar com a irmã dela, mas diz que primeiro tem que conseguir dinheiro em Atlanta. Ela permite.
Em outra dessas, aparece Will Benteen, que chegou e foi ficando e acaba por ser o braço direito de Scarlett
Em mais uma dessas, aparece um soldado yankee dentro de Tara e ela mata ele. Ela pega uma arma e mata ele, porque ele está invadindo a casa dela. Melanie vê e não demonstra nenhum choque. Elas simplesmente enterram o corpo juntas e prometem nunca contar a ninguém. Aqui você percebe que uma amizade muito mais forte do que Scarlett sente por Ashley existe.
E aí ela descobre que os yankees, que já dominaram Georgia, vão aumentar os impostos da fazenda e ela não tem como pagar. O dinheiro dos confederados não vale mais nada.
O pai dela morre tentando pular uma cerca a cavalo.
Ela então lembra de Rhett Butler, O CARA QUE ELA TINHA JURADO QUE NUNCA MAIS IA DIRIGIR A PALAVRA, que fez fortuna negociando com os yankees. Ela decide ir a Atlanta pedir dinheiro a ele, inclusive estando disposta a transar com ele em troca. Tudo isso porque ela prometeu que nunca mais ia passar fome e que faria qualquer coisa pra que isso acontecesse. Só que o Rhett Butler está preso, os yankees estão querendo seu dinheiro de volta e ele diz que não sabe onde está. Ele brinca com ela e diz que não pode ajudá-la pois vai ser enforcado dali a 3 dias. Na saída da prisão ela encontra Frank Kennedy, o boy da irmã dela, e ele conta pra ela que agora tem um negócio próprio e que tudo está correndo bem e que, em breve, poderá casar com sua irmã. Ela prontamente diz que a irmã já vai casar com outro e que ele deixou correr muito tempo mas que ela está solteirinha da silva.
Sim, Scarlett passa a perna na irmã pra conseguir o dinheiro. Scarlett, então, casa com Frank Kennedy, se muda pra Atlanta e começa a mandar dinheiro para Tara.
Scarlett descobre que o marido é meio bundão e que podia ganhar muito mais dinheiro se fosse mais esperto, então ela abre uma madeireira e comanda a madeireira. Ela comanda o próprio negócio. Ela pede a Ashley para comandar a madeireira com ela e ele diz que precisa sair disso, que quer se mudar pra Nova York e colocar tudo isso pra trás. Ela faz uma chantagem emocional, envolve a Melanie e a Melanie obriga Ashley a ficar. Scarlett AINDA É OBCECADA (!) por Ashley e não quer ele longe.
Rhett Butler molhou a mão dos yankees e não foi enforcado. Vai atrás de Scarlett pra descobrir ela casada com o boy da irmã e fica WHAT.
Tá, daí tá rolando o esquema da madeireira, a escravidão foi abolida e Scarlett "contrata" presidiários para trabalhar lá. Ela não paga eles e é um novo tipo de escravatura. Já é um absurdo naquela sociedade uma mulher comandar um negócio sozinha e ela ainda por cima negocia com yankees. Daí tá pegando pesado. Scarlett acaba sendo excluída da alta sociedade de Atlanta. Ela não dá bola pra esse tipo de preceito moral porque tem que lutar pra sobreviver e isso faz dela uma paúra.
Numa dessas idas a madeireira ela está indo pra lá sozinha e é atacada por dois boys que deixam ela semi-nua. Ela é salva por um ex-escravo de Tara e volta pra casa arrasada. As mulheres culpam ela por estar andando sozinha por aí e agora os homens vão ter que se vingar.
Os homens são a KKK. Foi o grupinho de migos da Scarlett que criou a KKK. Yep.
Então os homens saem pra pegar os caras que fizeram isso com a Scarlett e o marido dela leva um tiro e morre.
Só que a polícia já está sabendo da KKK e querendo prender eles. E eles sabiam que nesse dia eles iam se reunir. E há boatos que inclusive o ataque foi uma armadilha.
E aí as mulheres estão em casa fingindo fazer qualquer coisa, a polícia vai lá perguntar pra elas onde estão os maridos e elas ficam se fazendo. Até que chega Rhett Butler, abraçado em um Ashley bêbado e mais meia dúzia de homens bêbados. Eles fazem um teatro dizendo que estavam no puteiro e por isso as mulheres não sabiam onde eles estavam. Dizem que todo mundo do puteiro podia atestar isso. Eles tem um álibi e a polícia vai embora.
Ashley tira o casaco e ele levou um tiro. Eles estavam fingindo. Rhett Butler armou todo o circo porque era amigo das putas e salvou o dia mais uma vez. Ele pede desculpas para as mulheres por não ter conseguido um álibi mais respeitável porque ele é um fofo. Rhett Butler salva o dia NOVAMENTE. Herói.
Ashley sobrevive de boas.
Rhett conta pra Scarlett que Frank morreu e aproveita para pedir ela em casamento.
QUE HOMEM.
Ele dá um beijo de verdade nela, um beijo que ela nunca tinha recebido, e ela fica toda molenga e aceita. Coisa mais adorável. ENTÃO FINALMENTE ELES CASAM!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
A lua de mel é incrível, eles dão altos rolês fazem várias festas, voltam pra Atlanta e constroem a casa dos sonhos. Nesse meio tempo rola um romance lindo entre eles e a gente fica tudo sonhando com um boy igual o Rhett pra gente. Sério. Onde compra? TÁ TUDO LINDO? Não. Scarlett CONTINUA OBCECADA POR ASHLEY. 
Scarlett engravida e eles tem uma filha, a Bunny. Rhett é obcecado pela Bunny e começa a se esforçar pra entrar na alta sociedade de novo, pra que sua filha possa ter uma vida plena.
Scarlett decide que ter a Bunny engordou ela demais (aumentou a cintura dela em 1cm EU JURO QUE É ISSO, 1 CM A MAIS DE CINTURA) e que não quer mais ter filhos. Porque Scarlett quer estar bonita para sempre pra quando ela e o Ashley finalmente puderem ficar juntos. Ela explica pro Rhett isso e ele fica magoadíssimo.
É aniversário de Ashley e a Melanie pede pra ela enrolar ele no trabalho porque vai rolar uma festa surpresa. E aí a Scarlett chega na madeireira e ela e Ashley ficam um tempo conversando, relembrando os velhos tempos. Eles se abraçam e ela percebe não sentir nada naquele abraço e que o afeto que sente por ele TALVEZ seja só afeto de amigo, de família. Mas acontece uma grande merda. Lembra o primeiro marido da Scarlett, o Charles? Ele estava prometido pra irmã do Ashley. E ela ficou magoadíssima e virou uma solteirona e culpa a Scarlett por isso. Então, a irmã de Ashley entra no escritório exatamente no momento em que eles estão se abraçando e saí espalhando o boato que eles estão tendo um caso.
Daí a Scarlett faz drama, não quer ir no rolê mais porque está com vergonha. Rhett fica magoadíssimo porque acha que é verdade. Porque faz sentido ser verdade. Porque ele sabe que ela sempre foi obcecada pelo Ashley. Porque ele vê o jeito que ela olha pra ele. E é aqui que, se você ainda não aprendeu, você vai aprender que: DIÁLOGO É A COISA MAIS IMPORTANTE DE UM RELACIONAMENTO. Scarlett, ao invés de negar e ser honesta com Rhett, apenas fica ofendidíssma por ele pensar que ela faria uma coisa dessas. Ele conhece ela o suficiente pra saber que ela faria.
Ela vai no rolê esperando ser escurraçada porque todo mundo já está sabendo da novidade. Mas Melanie abraça ela e anda com ela pela festa inteira, demonstrando pra todos que está tudo bem. Melanie sabe que Scarlett nunca faria uma coisa dessas. Melanie é a única pessoa que compreende Scarlett de verdade e sabe que tudo que ela faz é um resultado das coisas que ela passou na vida. Melanie e Scarlett: squad goals.
Daí a Scarlett volta pra casa e o Rhett tá bêbado e eles discutem feio, fazem drama mas rola todo um angry sex e eles acabam dormindo juntos. Daí a Scarlett acorda realizada. Lembra que ela tinha meio que percebido que não sentia mais amor por Ashley? Mas aí o Rhett ainda está magoadíssimo, porque ela AINDA não disse pra ele que percebeu que não amava mais o Ashley e que nunca teve um caso com ele. Ele pede desculpas pela forma que agiu na noite passada e vai viajar a trabalho sem avisar ela. E levou a Bunny.
Ele fica uns meses fora e quando volta Scarlett conta pra ele que está grávida. Ficou grávida naquela noite. Rhett acha que é de Ashley, eles brigam, ela tropeça, cai da escada e perde o bebê. Ela fica muito doente delirando por uns dias e Rhett se culpa. Ele fica arrasado. Ele acha que ela não quer nunca mais ver ele na frente. DIÁLOGO, GENTE, NOVAMENTE.
E aí lembra que Rhett era obcecado pela Bunny? Muito disso é porque ele buscava nela o carinho que ele queria da Scarlett. E ele faz tudo pela Bunny, assim como fez tudo pela Scarlett. E Bunny queria porque queria montar a cavalo e ela ganha um pônei dele. E ela vai pular uma cerca com o pônei, cai e morre. Do mesmo jeito que o pai da Scarlett morreu.
Rhett quase morre junto e fica um pouco louco. Bunny tem medo de escuro e ele não quer enterrar ela porque no caixão vai ser escuro. Eles enterram ela com velas dentro.
Nessa mesma época, Melanie engravida. Lembra que Melanie quase morreu no primeiro parto? Ela não podia ter engravidado de novo, mas sempre quis ter outro filho. E aí que ela passa muito mal durante a gravidez e está quase morrendo. Ela está de cama faz meses e, no leito de morte, diz a Scarlett que ela é a pessoa mais incrível que ela já conheceu e pede que ela cuide da família dela. Scarlett fica arrasada e FINALMENTE percebe tudo. Que ela ama Ashley como amigo, que Rhett Butler é o boy da vida dela. Mas ela sai do quarto e abraça Ashley. E Rhett fica arrasado, achando que ela tinha ido buscar conforto nele, mas na verdade ela foi abraçar ele tipo como se fosse se despedir. Um abraço amigável de "acabou.".
Rhett vai embora e ela vai atrás dele. Encontra ele na porta da casa que ele construiu pra ela e fala tudo pra ele. Pede desculpa. Diz tudo que tem que dizer. Que ama ele, que devia ter percebido isso antes, que dali pra frente eles podiam ser felizes e colocar tudo que aconteceu pra trás.
Mas aí, minha gente, aí o Rhett Butler não aguenta mais. Depois de ter passado a vida correndo atrás de Scarlett, ajudando ela, salvando a vida dela, fazendo tudo por ela... Ele não quer mais. Ele cansou. :~~~~~~~~~ EU CHOREI EU JURO QUE CHOREI E EU NÃO CHORO ASSIM TÃO FÁCIL ESPECIALMENTE EM ROMANCES.
E é aqui que entra a famosa frase. Ela pergunta pra ele o que ela vai fazer agora, todo um dramalhão, como ela vai viver sem ele? E ele responde que:
Arrasada. Com certeza a melhor frase da literatura. Significa tudo.
E aí Scarlett que aprendeu a vida toda que tem que ser prática e pensar no dia de amanhã, porque talvez amanhã ela não tenha o que comer, decide não pensar nisso agora. Pensar nisso só amanhã. Ou seja, que ela não vai deixar isso abalar ela.
Eu amo essa maneira de pensar a vida. Também significa tudo. Significa que você sabe que tudo passa, que amanhã vai ser outro dia e depois outro e que tudo vai ficar menor um dia. Acho tão importante pensar assim, conseguir ver isso mesmo num momento triste. Scarlett é uma mulher forte e sabe que vai passar. E percebe que a única coisa boa que ela ainda tem na vida é Tara. A terra dela. Ashley cantou a pedra lá quando eles estavam passando perrengue.
Então o livro acaba com Scarlett chegando em Tara para começar uma nova vida. Porque a vida é feita de recomeços.
:~

random II

Vou contar uma coisa pra vocês. Escrever com essas canetas caligráficas é a coisa mais triste do mundo. HAHAHA. Ainda não peguei o jeito, não sei se a minha é ruim porque comprei usada ou se eu que sou péssima mesmo. Eu tô lendo esse livro de contos da Alice Munro chamado Fugitiva e é de lá essa quote. Resumindo, a personagem adora ver peças do Shakespeare e tem que ir até outra cidade pra assisti-las. Um dia ela conhece um cara lá, se apaixona e eles combinam de se encontrar um ano depois. Ela passa esse ano inteiro esperando por isso. Ela chega na casa dele e ele fecha a porta na cara dela e não fala nada. Ela fica arrasada e isso tudo muda completamente a vida dela. Muito tempo depois, quando já está velha, ela reencontra o cara numa cama de hospital. Ela descobre que o cara não é o cara, e sim o irmão gêmeo dele e que foi esse mesmo irmão gêmeo que fechou a porta na cara dela pois não a conhecia. O cara já estava morto. Uma tragicomédia perfeita e ela, como amante de Shakespeare, deveria saber melhor. Shakespeare deveria ter preparado ela. Essa frase mexeu comigo e eu tô meio obcecada por ela. Define minha vida, eu juro. Minha vida é essa série de momentos tragicômicos e coincidências absurdas :)
O cabelo do Pipe tá muito engraçado. Às vezes eu recebo um mimimi de alguém aleatório dizendo que tem que cortar, tadinhooo, ele não consegue enxergar assim e eu sei que eu não devia me sentir assim, mas meu santinho como é bom encher a boca e responder ELE JÁ É CEGO ENTÃO NÃO IMPORTA pra gente metida. Vai ter franja canina sim. Parem de se meter no corte de cabelo do cão alheio.
Falando em animais, no meu bairro temos um cachorro comunitário que se chama Alemão. É um vira-lata que é a coisa mais querida do mundo. Ele mora na rua e todo mundo cuida dele. Depois de muito ossinho empenho e esforço eu consegui conquistar ele e sempre que vou no super o Alemão me segue, me espera e me escolta até a esquina de casa. Uma pet shop "adotou" ele e depois de um tempo ele passou a dormir por lá. Ele tem até casinha própria dentro da pet e, quando está muito calor, se manda pra lá porque tem ar condicionado. Esses dias fizeram uma matéria sobre ele e eu fiquei até emocionada. Alemão: o cachorro amado por todos é o melhor nome pra essa matéria, sério <3 E POR FAVOR, PAUSEM EM 1:08 E VEJAM A CARA DESTE ANIMAL SÓ FALTOU O OCLINHOS DE MITO DESCENDO.
Gloriosa roseirinha. Uma das pequenas alegrias da minha vida é ver minhas plantas crescerem. Se eu fosse chutar, diria que estou no nível 3 da habilidade de jardinagem do The Sims. Acho que não posso subir muito mais que isso, no entanto, já que me falta CHÃO e sou obrigada a plantar tudo em vasos.
Sério, dá pra acreditar que aquela mini rosinha ali virou essa árvore linda? <3

por uma vida com mais aceitação

Primeiramente, hoje é dia da mulher e o que eu tenho a dizer é: Estamos juntas :)

Das coisas que eu fico me perguntando de vez em quando:
- Quando foi que eu virei essa pessoa que nunca atende o telefone e demora duzentas horas pra responder ou esquece de responder mensagens? Eu sempre odiei quando faziam isso comigo e agora faço isso com os outros. Esses dias eu inclusive ~criei coragem~ e desativei as marcações de LIDO no whatsapp. Foi uma aceitação: ok, tu virou essa pessoa, agora vamos fazer o que pudermos para evitar maiores constrangimentos. Até agora o único problema é não saber se o contatinho não quer sair comigo mesmo ou se ele só tá ocupado e ainda não viu. Ser desligada é uma via de mão dupla. Hahahaha.
- Quando foi que eu virei essa pessoa que se atrasa pra tudo? Eu era sempre aquela que chegava antes e acabava ficando horas esperando os atrasados, com aquela sensação de orgulho que só quem sempre chega na hora tem. Agora sou eu que deixo todo mundo esperando. Tenho uma teoria que foi porque já fizeram tanto isso comigo que agora meu subconsciente que calcula o tempo que eu levo pra fazer as coisas está se vingando.
São duas coisas que eu já aceitei em mim, eu tenho muita facilidade em aceitar meus defeitos (e em não ver minhas qualidades, vejam só vocês), mas de qualquer forma fico pensando quando as coisas desandaram. Tentando melhorar na medida do possível.

Daí sobre tentar melhorar. Durante um bom tempo eu fui aquela pessoa que dizia 'eu sou assim mesmo e daí?'. Não, gente. E daí não. Então fui aprendendo, aos poucos, que mudar e evoluir é uma necessidade, que a gente não pode passar a vida pensando que a gente é aquilo ali e deu. Tem muito mais na gente, muitas coisas que a gente pode ser, fazer e aprender. Vamos trabalhar isso aí?
Tá aqui um exercício importante para tu fazer agorinha mesmo se tiver tempo: listar coisas que tu é bom. Eu me surpreendi o quanto isso foi difícil pra mim. Mas quando tu acha uma pequena coisa vão surgindo outras a partir dessa e a lista vai aumentando. Acabei descobrindo qualidades que nunca tinha percebido ter. Os defeitos a gente vê todos os dias e se martiriza por eles. Eu, pelo menos, sim. Mas é muito mais fácil pra mim pensar que 'parabéns, clarissa, tu sabe seguir uma receita (Y)' do que 'Poxa, que legal, tu aprendeu a fazer bolos sozinha e eles são ótimos'. A segunda frase é muito mais positiva e é essa frase que a gente sempre tem que tentar buscar. Trocar a auto-depreciação pela auto-admiração. É todo um trabalho mental, mas um trabalho importante.
A partir desse exercício, dá pra catar aquele amigo que tu ama muito e fazer com ele. Cada um diz uma coisa. Dá pra fazer por tópicos, tipo "o que tu tu é bom em relação a teu corpo?" Eu, por exemplo, sou muito boa em aceitar o meu corpo como ele é. Foi dificílimo chegar aqui e foi um exercício mental bem grande. E eu posso começar uma trilha de pão pra minha amiga. Posso começar a trilha pra vocês também, ALGUÉM AÍ INTERESSADO EM OUVIR SOBRE A MINHA JORNADA DE ACEITAÇÃO? HAHAHAHA. Também sou boa em economizar no supermercado. Eu posso tentar ajudar ela, que às vezes compra por impulso, porque tenho ~dicas práticas~. Já ela é ótima em consolar pessoas, eu sou péssima. Eu fico só fazendo piada igual uma idiota e nem sempre a pessoa que tá triste quer rir. Ela pode me ajudar nisso porque ela é o melhor colo do mundo. É muito legal porque tu passa a admirar aquela qualidade da pessoa. E isso também é importante, admirar o outro. Porque admirando o outro a gente percebe que pode melhorar.
E tudo que eu quiser a mente aqui de cima vai me dar.
No caso estamos planejando matar uma pessoa e consolar o familiar mais próximo dela juntas pra eu aprender. E ir no supermercado juntas. A possibilidade da primeira coisa acontecer é maior.

No mais, esses tempos aprendi uma coisa sobre como viver que quero compartilhar com vocês, vai que ajuda Essa é pra você que, assim como eu, tem o dom de se irritar com pequenas coisas. Outro defeito meu que já aceitei e estou tentando melhorar. Aprendi isso, que chamo de regra dos 5 minutos. Quando alguma coisa dá errado, você tem exatos 5 minutos pra pensar sobre ela. Contadinhos no relógio. Se permita 5 minutos daquela sentimento ruim, pode ser raiva, tristeza, qualquer coisa. A regra é que você só pode pensar nisso nesses 5 minutos. Não tenta clarear a mente, não tenta pensar em outra coisa, não pensa no que a Britney Spears deve estar fazendo naquele exato momento. É pra remoer mesmo, focar naquela merda ali que aconteceu. Depois de 5 minutos sentindo muito aquela coisa, ela vai ficar menor. Claro que tem a maioria das coisas na vida demoram muito mais de 5 minutos pra passar, mas percebi que funciona muito bem pra coisas pequenas do dia-a-dia. Se irritar por causa da fila no banco, por exemplo. Não tem nada mais inútil do que isso. A fila não vai andar porque tu está ali reclamando e bufando. Assim como carros não vão virar helicópteros se você porque tu está estressado atrás do volante. Te permite 5 minutos dessa raiva, ela é aceitável e compreensível e, se tu já tá irritado provavelmente não vai ~desirritar~ assim tão fácil. Então ok, já está ali, vamos lidar com isso, pensar sobre isso, odiar isso, mas só por 5 minutos. Tu perdeu as chaves, o ônibus demorou, o motorista do táxi deu uma volta a mais, esqueceu uma coisa em casa. Depois que isso aconteceu, tá fora do nosso controle e ficar se martirizando por isso só vai transformar um dia que poderia ser ótimo, porque todos os dias tem potencial para serem ótimos, num dia ruim. 5 minutos é uma fração minúscula do seu dia e não vai influenciar em nada.
Ó um exemplo: fiquei um bom tempo numa regra de 3 cretina tentando calcular quanto exatamente é 5 minutos dentro de 24 horas pra postar aqui e JESUS CRISTO EU SOU MUITO BURRA PLMDDS. Fiquei 5 minutos revoltada com minha burrice e depois passou :)

*ESSE POST É UMA LIÇÃO DE VIDA OFERECIDA GRATUITAMENTE PELO BLOG A LIFE LESS ORDINARY. PEGUE UMA SENHA NO GUICHÊ 18 PARA RECEBER MAIS LIÇÕES DE VIDA. AS LIÇÕES DE VIDA DISPONÍVEIS NO MOMENTO SÃO: COMO LEVAR UM FORA E SAIR ILESA, COMO DESISTIR FACILMENTE DE TUDO QUE VOCÊ COMEÇA E AQUILO QUE VOCÊ PROCURA ESTÁ PROVAVELMENTE NA SUA MÃO*
Capaz que não ia terminar post ~sério~ com piada, né, minha gente?
Vão lá fazer a listinha, é legal, juro <3

3 anos depois... A COZINHA!

Em 2014 (!) eu contei aqui no blog que minha mãe tinha ido viajar e deixado a reforma da cozinha pra mim. Fiz altos dramas, foi todo um sofrimento pra depois nunca mais contar como ficou. 
Começou com o post sdds cozinha, quando a reforma recém tinha começado. Eu nunca tinha acompanhado uma reforma antes e eu já estava meio desesperada, tudo demorava 10 vezes mais do que o previsto e os pedreiros me enrolavam dia sim dia não.
Depois foi o post sdds sala, quando todos os móveis novos já tinham chegado, os velhos ainda estavam atravancando minha sala e a cozinha não ficava pronta nunca. 
E por último teve o post e a cozinha?, quando ela já estava quase pronta mas com ainda faltava um monte de pequenas coisinhas.
Então, 3 anos depois, vim aqui mostrar pra vocês como ficou.
Assim :)
Essa bancada à direita que dá pra ver a pontinha é onde fica a pia. Embaixo dela tem uns gavetões onde colocamos as panelas. Do lado o fogão e, entre o fogão e aquele móvel lá da ponta tem um mini-móvel que tem uma portinha que puxa onde ficam óleos e temperos. Aquele móvel lá da ponta é tipo um aparador pequeninho que ficou muito bem ali. Em cima colocamos, em teoria, coisas bonitinhas. Na prática tá sempre uma bagunça cheio de coisa de cozinha.
A mesa tem um tampo de mármore e acho linda. A parede preta, combinada com os azulejos em cima do fogão, pra mim é o ponto alto da cozinha.
Outro ângulo da cozinha. Aqui dá pra ver melhor o outro lado dela. Bem à esquerda fica a despensa. Ao lado dela uma torre com o microondas, o forno elétrico e gavetas de talheres. Depois a geladeira. Depois uma bancada enorme e um fogão de indução. Esses móveis foram comprados prontos em uma loja de móveis planejados. Era uma cozinha que estava exposta na loja. Eles estavam trocando a exposição e vendendo os móveis em promoção. Não encaixou perfeitamente na nossa cozinha e tivemos que fazer ajustes, mas no fim gastamos muito menos do que se tivesse mandado fazer inteira sozinha. Na bancada da loja já tinha esse buraco do fogão de indução, então compramos um. No início eu não me dava muito com ele, mas ultimamente tenho usado quase só ele. Ele ferve água em 30 segundos, eu juro. É tão potente que tem que ficar sempre atento porque quando vê tá queimando o que você colocou ali, hahaha.
Nos armários guardamos travessas, pratos, copos e todo o resto.
Aqui em casa temos MUITA coisa de cozinha, minha mãe é meio acumuladora de panelas e travessas, então precisávamos de muitos armários. Se eu mostrasse aberto vocês nem iam acreditar a quantidade de coisas que tem aí dentro, hahaha.
Esses eletrodomésticos que ficam aí por cima (Air Fryer e processador), em tese, deveriam ficar guardados, mas eu aprendi uma coisa sobre eles. Se você não VER eles, você não USA eles. Não são as coisas mais necessárias do mundo, então você simplesmente esquece. Quando estão ali por cima, uso quase todos os dias.
Alguns detalhes da cozinha. Eu amo esse faqueiro de ímã, as facas ficam sempre a mão :) Aquele móvel de madeira é o aparador que falei ali em cima, ficou muito bom nesse canto da cozinha. Embaixo colocamos as tábuas, mas pretendo passar elas pra dentro da despensa e colocar umas plantinhas ali. No cantinho da cozinha fica esse paneleiro que eu amo, coisa de casa de vó. Ao lado tem esse móvel que colocamos livros de cozinha.
Esse fogão é lindo demais, né? Ao lado da pia tem esses ganchos pra pendurar coisas. Tudo que usamos no dia-a-dia fica por ali. Não tirei foto da pia pois LOUÇA SUJA.
Em cima dos armários fica a coleção de panelas chiques, que só usa quem é alto pra alcançar.
Essa parede tá sempre cheia de recados, todo mundo adora escrever nela e sempre tem alguém pedindo giz. Esses dias veio aqui em casa um pessoal e desenharam várias bostas na parede, fiquei revoltadíssima HAHAHA. Daí apaguei tudo e fiz eu mesma uns desenhos bonitinhos. Eu não gostei muito do resultado final, achei que faltou ~unidade~, sei lá. 
No fim, achei que a cozinha ficou linda, mas sei que muitas coisas não ficaram tão boas. Coisas que não dá pra ver em foto, só estando aqui pra saber. Para uma primeira obra, acho até que me saí bem. O piso não foi bem colocado, o cano da caixa de gordura da pia ficou exposto, tinha uma outra pia na cozinha que foi tirada mas os canos ficaram na parede, a campainha, que nunca funcionou, não foi retirada. Coisas que eu devia ter mandado fazer quando a reforma aconteceu e agora, querendo ou não, precisaria de mais uma mini-reforma para arrumar. Erro de amador e um pedreiro não muito esforçado.
É isso, migos, que tal minha cozinha? :)

update do armário

Obrigada a todos que mandaram opiniões no post help i need somebody, onde contei que queria pintar meu armário mas ainda não sabia de que cor :)
No fim, acabei pintando de amarelo e preto. O motivo foi forças maiores: eram as únicas tintas que eu já tinha o suficiente pra pintar o armário. Não queria gastar um centavinho e não gastei. Ficou assim:
Pintei eu mesma e, no processo, consegui pintar junto um pedaço da parede porque sou genial e também deixei cair muitas gotas de tinta no meu parquet maravilhoso. Uma coisa que eu aprendi sobre PINTAR coisas é que não importa o que você faça, você vai acabar manchando alguma coisa. Hahaha. Os vidros do armário também sujaram. O chão e os vidros um solvente resolve (ainda não passei), mas a parede só pintando de novo. O que é ótimo porque pretendia mesmo pintar ela logo. 
Amo um antes e depois <3
Eu gostei? Gostar não é a palavra certa. Eu achei mil vezes melhor que a anterior? Sim. Adorei a parte preta que dá pra desenhar com giz, já fiz altos desenhos e ficou um amor. Acontece que achei que destoou do resto do quarto.
Insatisfação crônica é uma realidade.
O tom de amarelo é muito diferente do outro móvel amarelo que tem ao lado da minha cama. Esse é bem mais claro e menos atômico. Sem contar que quando terminei e dei aquele passo pra trás pra admirar a obra de arte, a primeira coisa que pensei foi OK, TÁ AÍ UMA BELA BANDEIRA DO BRASIL SUA BURRA COMO Ñ PERCEBEU ANTES QUE ISSO IA ACONTECER. A combinação com o móvel verde, sei lá. Algo deu errado aí.
Arrumei os quadros também e, no processo, dei uma martelada certeira no meu dedo no mesmo momento que arranquei um pedaço da parede (porque a parede é de gesso e não foi feita para martelar e sim para usar furadeiras) e caiu no chão um negócinho lindo que eu tinha pra pendurar e quebrou e talvez em algum momento desse dia eu tenha sentado no chão e chorado um pouco pensando em todas as minhas escolhas de vida.
Foi um dia dramático, claramente.
No processo eu arrumei toda a bagunça dentro do armário e foi um alívio ver tudo organizadinho.
Continuo achando muito melhor do que antes e acho que está passável. Antes odiava, agora não odeio. Não amo, mas não odeio. Tá tudo certo.
Ainda bem que tenho o outro lado do meu quarto pra me consolar, ñ é mesmo? Que quarto bem lindo plmdds.
Nessa foto dá pra ver como o tom de amarelo desse móvel (que eu amo) é muito diferente do outro. É mais gema, sei lá.
Das coisas que eu ainda quero fazer: arrumar esses nichos embutidos de prateleira. Como eles não são muito visíveis, sempre acabo jogando qualquer coisa por ali. Esse lado até que está ok, mas do outro lado tem outro (escondido atrás do cabideiro) e tá uma vergonha. Pensando em me desfazer do cabideiro também, que está meio quebrado e volta e meia cai. Uma vez caiu no meio da noite e eu acordei num susto e olhei pro chão e achei que tinha uma pessoa estirada ali no chão do meu quarto e não preciso dizer que o cabideiro passou a me assombrar desde então. Fico olhando pra ele desconfiada com a certeza de que ele pode me atacar a qualquer momento.